E aí, vai fazer o que?!

Por Roberta

Ana Carolina Violante, estudou comigo no colégio e nos tornamos grandes amigas. Ela fez direito, começou a se questionar em relação à profissão que escolheu e fez o blog E aí, vai fazer o que?!, que traz relatos reais de pessoas reais sobre suas profissões e escolhas ao longo do caminho. Ela me pediu para escrever a minha história, o que me deixou muito lisonjeada e feliz por ter a oportunidade de fazer essa reflexão e compartilhar com outras pessoas. E, então, resolvemos compartilhar o texto aqui também :)

“Quando chega a nossa hora de prestar vestibular, aos nossos imaturos e pouco experientes 17 anos, parece que temos que decidir ali o que fazer para o resto da vida e dá um medo danado. Depois, com o tempo, aprendemos que esta é apenas a primeira de muitas escolhas importantes que teremos de tomar a partir dos 17 anos.

No meu caminho (hoje tenho 27) aprendi três coisas que considero muito importantes: nenhum conhecimento é inútil, nós damos significado às nossas tarefas e gratidão é essencial.

Tudo o que você aprende vai te valer como experiência, porque conhecimentos diferentes te fazem enxergar a mesma situação de formas diferentes. Eu me formei em Publicidade e Propaganda, estagiei na área e fui seguir um grande sonho, que era ser cantora. Durante 3 anos e meio gravei CD, videoclipe, toquei em festivais, na TV, no rádio e, por fim, desisti. Eu achava que se fizesse tudo direitinho minha carreira ia dar certo, mas o mercado da música é um pouco mais complicado do que um escritório com plano de carreira.

Então, voltei para São Paulo com o objetivo de ganhar dinheiro. Entrei numa petroquímica, me saí muito bem e usei bastante dos conhecimentos que adquiri gerindo uma banda por lá. Foi uma experiência e tanto, mas naquele momento eu queria explorar mais a fundo o mercado digital, no qual acabei me especializando.

Então, montei um blog de culinária com uma fera da comida caseira, minha mãe, com base em tudo o que aprendi na banda e na petroquímica. No blog, faço vídeos, tiro fotos, escrevo projetos e textos e faço gestão de todas as plataformas digitais. Faço tudo o que amo e de quebra estou aprendendo a cozinhar.

As mudanças, o começar do zero, o construir e fazer parte de coisas que dou valor são o que me motivam a continuar caminhando. Eu não consigo não fazer nada e certamente não consigo fazer algo sem significado.

Voltando à lições, a segunda delas aprendi durante minha pós-graduação em Gestão e Marketing Digital e não tem nada a ver com marketing, digital ou gestão: as tarefas são as mesmas, o que muda é o significado que damos a elas. Ou seja, há pessoas que odeiam cozinhar e comem qualquer besteira. Outras vêem um significado enorme em ter uma boa alimentação e entram na cozinha com prazer. Esse prazer vai além do gostar ou não gostar de cozinhar.

Este foi, sem dúvida, o ensinamento mais importante de todo o curso e tomei ele para minha vida pessoal e profissional. Antes eu me focava muito no “gostar” e isso me fez tomar decisões erradas diversas vezes. Entendi o significado de esperar, ter paciência, fazer coisas que não gosto e conviver com pessoas que não gosto. Tudo isso faz parte e é muito importante, até para nos conhecermos melhor.

E então a gente se vê vivendo uma vida que nem sempre é do jeito que queremos, nem sempre é justa, que nos coloca constantemente à prova e que nos testa sobre o significado que damos a tudo isso. E foi aí que aprendi a ter gratidão. Não a gratidão de dizer “obrigado”, que aprendemos quando somos crianças, mas agradecer por quem somos, pelos nossos defeitos e qualidades, pelas situações boas e ruins que vivemos para podermos crescer com elas, pelas pessoas que conhecemos, por tudo o que aprendemos e pela nossa capacidade de escolher.

Eu aprendi a agradecer pelos mínimos detalhes e, então, meu caminho ganhou um novo sentido, para muito melhor. Às vezes não é a profissão, não são os amigos, não é a família. Somos nós que estamos buscando e, neste caso, o único remédio é viver.”

  • OI , gostei muito do texto !!
    Meu filho largou a faculdade de Medicina , na metade , foi fazer Adm , ESTA NO MEIO DO Cu
    RSO E AMANDO !!!!
    parabéns pela decisão ! seja FELIZ !
    BJ

    • Obrigada, Márcia :) Boa sorte para o seu filho também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.


*